sábado, 11 de fevereiro de 2017

Grog – Ablutionary Rituals

Grog – Ablutionary Rituals
Helldprod Murder Records – 2017 - Portugal



Calma... é preciso retomar fôlego para falar deste, que para mim, era (é, já que ainda não saiu oficialmente) o disco mais esperado de 2017. São (mais de) 25 anos fazendo história no underground lusitano (e mundial), e “Ablutionary Rituals” chega para coroar esse um quarto de século de atividades... com coroa de espinho, sangue e tripas, claro.

O som? Observando a trajetória da banda, ao que parece, o Death Metal violentíssimo começou a se sobressair em relação ao Grind, embora este último ainda esteja em evidência no trabalho. E que trabalho! Quando digo que é brutal, vá por mim, é para se proteger do massacre sonoro imposto pelo álbum. Aliás, a sonoridade parece estar mais direta do que nunca, sem perder a técnica absurda apresentada pelos integrantes.

Os vocais de Pedro Pedra estão mais guturais e assustadores do que no perfeito “Scooping the Cranial Insides”, ‘full’ anterior, lançado em 2011. Pois é, seis anos se passaram, e o cara não perdeu o fôlego e nem o foco. Muito pelo contrário.

Por sua vez, Rolando Barros continua barbarizando com sua velocidade e criatividade nos tambores. É impressionante o que esse cara consegue fazer em seu kit!

Tão perito quanto o baterista, são o guitarrista Ivo Martins e o baixista Alexandre Ribeiro, mas os dois não usam o talento para virtuosidades gratuitas, e sim, para o equilíbrio e para a harmonia na dose certa em cada composição.

Depois da introdução “Revelation - Open Wound”, o que se ouve são músicas calcadas na agradável e bem promovida violência. A produção, inclusive, deixou um aspecto mais pesado, denso e sério no registro. Parece que os autofalantes cuspirão socos, pontapés e tiros a qualquer momento.

Ainda estamos em fevereiro, porém, pelo exposto acima, é evidente que “Ablutionary Rituals” estará entre os melhores do ano - provavelmente o melhor, na opinião deste projeto de resenhista.
Só extraordinário.

10,0

PS: Já fiz esse apelo outras vezes, mas retomo-o com mais intensidade: produtores brasileiros, já passou a hora de trazerem a Grog para o país. E aí???????????????